Imagem de Angélica Dass

A escala de Fitzpatrick nasce da diversidade de tons de pele que existem, e que é provavelmente uma das características mais fascinantes daquele que é o maior órgão do corpo humano.

O que é?

A escala de Fitzpatrick foi desenvolvida em 1975 pelo dermatologista Thomas Fizpatrick. Segundo este sistema, a pele é classificada de acordo com um fototipo, que se determina através da sua capacidade de bronzear e queimar aquando da a exposição solar, relacionando também estes aspetos com a cor de cabelo e dos olhos.

escala de Fizpatrick

Qual é a sua utilidade?

Cada tom de pele apresenta comportamentos distintos aquando da exposição solar, entre outras fontes de radiação (como lasers) e estímulos pró-inflamatórios (peelings químicos, tratamentos de dermoabrasão ou de despigmentação). Assim, tornou-se necessário estabelecer uma classificação tão universal quanto possível para contemplar todas estas pessoas, e desta forma conseguir estabelecer que procedimentos podem ser realizados por cada fototipo.

Os fototipos influenciam também a escolha do protetor solar, a par do índice UV:

índice UV
Imagem do IPMA
índice UV
Imagem do IPMA

Além disso, diferentes fototipos tendem a apresentar um grau de envelhecimento da pele distinto, já que a melanina atua como fator protetor face à radiação solar, e a tendência para desenvolver hiperpigmentação (manchas escuras), que tende a ser superior em fototipos mais elevados.

Como conhecer o meu fototipo?

De seguida deixo um quiz no qual pode estimar o seu fototipo respondendo a 8 questões:

De que cor são os seus olhos?
Qual é a cor natural do seu cabelo?
Qual é a cor da sua pele em zonas não expostas?
Tem sardas nas zonas não expostas?
O que acontece quando se expõe ao sol por demasiado tempo?
Com que facilidade bronzeia?
Algumas horas após a exposição solar, a sua pele bronzeia?
Como é que a pele do seu rosto reage ao sol?
Saber o resultado

Limitações

Embora seja importante, a escala de Fitzpatrick é muito direccionada para a pele de etnia caucasiana, e por isso pouco eficaz para a classificação da pele de etnia árabe, africana ou asiática. Neste sentido, têm sido realizadas algumas modificações. Por isso, de forma a garantir a segurança de procedimentos estéticos mais arriscados, surgiram outros sistemas de classificação, como a Escala de Tipo de Pele Japonesa (Japanese Skin Type Scale), a Escala de Hiperpigmentação de Taylor ou a Escala de Etnia de Lancer (Lancer Ethnicity Scale, LES).


por

Etiquetas:

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *